A Autópsia autorizada pela Igreja na Renascença

Resultado de imagem para autopsia

A autópsia  consiste numa prática médica, com a finalidade de investigar a causa mortis de um indivíduo. As autópsias ou necrópsias só podem ser realizadas em lugares apropriados, como um morgue ou necrotério. 

É por meio dela que o médico legista emite o atestado de óbito para fins legais. De acordo com o Código Penal Brasileiro, no Artigo 212, a prática de autópsia realizada por um médico não habilitado para esta função, configura, imponderavelmente, um ato de vilipêndio, que é o crime de ultrajar, menosprezar um cadáver ou suas cinzas, sob pena de detenção que varia entre 1 a 3 anos, e multa.
Na Renascença, a autópsia era considerada um ato desumano, sendo proibida e combatida ferozmente pelas ideologias cristãs, considerando este ato como zombaria ou falta de respeito a um cadáver. Contudo, era comum a prática de dissecação em animais que tivessem as mesmas semelhanças fisiológicas com seres humanos.

Autópsia Sancta Ecclesia Dominum

Mas, no entanto, no século XVI,  precisamente no ano de 1533, a Igreja Católica autorizou que fosse feita a autópsia das gêmeas siamesas, as espanholas Joana e Melchiora Ballestero - [ainda carece de fontes]. O interesse da igreja era descobrir se as natimortas possuíam duas almas. O resultado da autópsia confirmou os interesses da Cúpula Romana, havia portanto, dois corações distintos, que conjectura, implacavelmente, para sustentar a clássica ideia do filósofo Empédocles - 490 a.C - 430 a.C. Ele afirmava que a alma fazia morada no coração humano.

Resultado de imagem para gemeas siamesas joana e melchiora

A prática de autópsias e dissecações eram vetadas pela moral eclesiástica, o que acarretou um atraso sem precedentes para as pesquisas científicas de Anatomia, Biologia, Fisiologia e Medicina. As dissecações em seres humanos eram realizadas clandestinamente ou quando realizadas em público para fins acadêmicos, era utilizado um pequeno boneco indicando as partes do corpo humano e ao lado dele havia um caixãozinho simbolizando que o boneco era a réplica de um cadáver.
Mas de acordo com Chopard, foi a Escola de Alexandria, de alguma forma, influenciou positivamente para as pesquisas anatômicas, os estudos consistentes pautados na observação e análise tinham a finalidade de explicar, logicamente, os fatos da realidade e também entender profundamente a fisiologia humana com aferição à forma.

Resultado de imagem para dissecação na idade média

Enquanto isso...

No Brasil eram proibidas as práticas de autópsias nos primeiros séculos da colonização portuguesa. Mas algumas delas foram realizadas por meio da justiça, mas com a devida autorização do Santo Ofício. Se alguém fosse surpreendido realizando autópsias sem o consentimento da Igreja, era condenado pelo Tribunal da Inquisição.
Enfim, há um contrassenso religioso em barrar as autopsias e dissecações em cadáveres, sendo que a autópsia é um ato afim de elucidar os crimes cometidos contra uma pessoa, suas causas e o horário da morte. Também colabora para a descoberta de doenças genéticas para que os familiares consigam compreender os motivos da morte do ente querido. A Igreja Católica não estava preocupada com a ciência e suas descobertas, mas profundamente interessada em descobrir se Joana e Melchiora possuíam duas almas, ou seja, dois corações, para assim tentar justificar uma ideia clássica, que hodiernamente não possui nenhuma base científica: que a alma faz do coração sua real morada.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...